em 9 de outubro de 2019

Na FEIRA, em São Paulo, Acculma fez sua primeira apresentação. Foto: Stp Denilson/Divulgação

Há algum tempo, noticiamos aqui quando Black Coffee tocou “African Danza”, faixa de Acculma, um produtor brasileiro que, até o último fim de semana, tinha sua identidade verdadeira ocultada. Mas o mistério acabou.

Durante a festa de um ano da FEIRA, que rolou no sábado (05) no ABC paulista, Acculma era uma das atrações num lineup recheado de grandes artistas, que trazia também Ryan Elliott, Tom Trago, Mesumeci, Guss e Linda Green.

Por trás da CDJ — e de algumas frutas e verduras que fazem parte do conceito da festa —, Acculma revelou-se apenas no final da festa, quando subiu no palco para protagonizar o último set da noite. Quem apareceu então foi Do Santos, um rosto familiar para muita gente.

O gaúcho faz parte do time da QG Agency e já possui mais de dez anos de estrada — mas afinal, por que ele decidiu criar Acculma? “Eu sentia a necessidade de expor algumas sonoridades que gosto bastante, mas não me sentia confortável lançando ou tocando em outro projeto. Gosto muito de percussões e melodias, então decidi dar vida ao Acculma”, explicou à Phouse.

A origem do nome, segundo ele, vem da própria família: “Batizei de forma muito especial. ‘Accul’ é Lucca ao contrário, nome do meu filho; e ‘Ma’ são as iniciais da minha filha e da minha esposa, por isso tem um significado tão importante pra mim”, revela Do Santos, que agora tem a missão é comandar os dois projetos de forma paralela “São projetos diferentes musicalmente e esteticamente falando, então têm tudo para darem certo e caminharem juntos, cada um com suas características”, falou, animado.

Na sua primeira aparição em público como Acculma, ele disse ter se sentido muito à vontade com a construção do set, que teve predominância de pads melódicos e ritmos com bastante percussão.

Acculma
Foto: Stp Denilson/Divulgação

“Fluiu muito bem e gostei demais da resposta do público. Voltei pra casa muito feliz, não imaginava que o clima da festa seria tão leve e bonito”, disse. “Busquei inserir músicas que tinham como objetivo transmitir felicidade. Acho que o estilo da festa e dessa minha nova identidade casaram super bem.”

Para o próximo ano, Acculma pretende lançar muitas produções e collabs com grandes artistas do meio afro e melódico, visando também algumas tour não só no Brasil, mas também pelo mundo.

+ CONFIRA TAMBÉM: Black Coffee toca faixa de misterioso produtor brasileiro em Ibiza

* Marllon Gauche é colaborador da Phouse.
Fonte: Phouse

Comentários

comentários